no blog na web

Boas Festas!!!

 Meus amigos, venho encerrar meu ano de muito trabalho!!

 Volto em 2013 com novidades e boas dicas!!

 Desde já desejo boas festas e um Ano de Realizações!!!

 Super bjo


Cortinas - Como e Onde Usar

      Bom dia!!!

      Estou um pouco apertada no meu escritório, mas não podia de deixar as últimas dicas para este ano.  

      Chegando o natal, venho postar uma dica super legal sobre Cortinas, o que está na moda e qual modelo para cada ambiente!!
  Cortina Seda



É verdade, elas deixam seu ambiente mais aconchegante e bonito além de participar da composição das cores do espaço em questão, por exemplo, um living, onde todos os tecidos se combinam; o do sofá, das almofadas, das cortinas, do tapete, enfim, e assim criam uma atmosfera de conforto e equilíbrio.
 Persiana Madeira Sintética

 As cortinas formam uma barreira entre o exterior e o interior do ambiente. Filtram a luz do dia, e assim conseguem criar certa harmonia dentro do espaço interno, com relação a intensidade adequada de luz que irá entrar no ambiente em questão.

 Cortina Vertical PVC


Além disso, elas ainda têm a função de trazer maior intimidade para o espaço, já que criam barreiras visuais entre o lado externo e o interno decorado.
                       
Cortina Plissada

Como exemplo, podemos citar o uso de cortinas especiais, chamadas de blackout usadas em salas de home theater, que bloqueiam a passagem total da luz para dentro do ambiente, e criam a atmosfera adequada para um “cinema”.




Como usar sua cortina?

Na hora de escolher sua cortina, atente para o tamanho do vão a ser coberto.
É muito importante aqui calcular pelo menos 15 a 20 centímetros a mais em cada lado da janela, ou porta em questão.

 
Por exemplo: se seu vão de janela tem 1 metro, calcule um vão de 1,40 metros no mínimo na largura.
Na altura, a cortina deve ser instalada acima da janela, considerando o tipo de acabamento a ser usado nos ambientes como escritório, suítes, sala de jogos, cozinha ou até um lavabo. Nestes tipos de ambientes também podem ser usadas cortinas curtas, cobrindo o vão da janela, mas, deixando no mínimo os 15 a 20 centímetros de tecido abaixo do final da janela (barra da cortina), na altura.


Para os ambientes das áreas sociais, mais nobres da casa, por exemplo, living e sala de jantar, além da suíte master, cabe outro tipo de aplicação: procure usar o vão da parede toda, além do vão da janela; se possível, para dar um caimento bom na cortina, além de emoldurar o espaço e aumentar a sensação de um lugar aconchegante. Nestes ambientes, sempre usar as cortinas de cima, mais compridas na parte inferior, para ampliar mais o pé direito do espaço.


Para pendurar a sua cortina existem diversas maneiras diferentes, que dão um toque especial ao seu ambiente, de acordo com a decoração em geral usada, o tipo de mobiliário escolhido, e até a forma como será usada no dia-a dia.

Segue abaixo algumas cortinas mais usadas atualmente:
 
 Horizontal Alumínio


 Persiana Madeira Sintética

Persiana horizontal madeira 

  
 Cortina Soft Sheer

 
 Cortina Honey Comb

Cortina Romana Plus

 Cortina Romana


 Cortina Romana Wave

 Tela Solar

 Cortina Sheer

 Cortina Sheer 

 Cortina Horizontal Alumínio

   Cortina Horizontal Alumínio


Cortina Soft Sheer

Cortina Persiana Blackout

Cortineiro no forro
- usado quando se deseja rebaixar o forro.
Pode ser criado um rasgo no gesso da largura do vão da janela, mais os 20 centímetros de cada lado, por uma profundidade de 15 centímetros, para embutir o trilho da cortina e escondê-lo.

Nesse exemplo é muito nítida a preocupação e delicadeza de como foi resolvida a questão; apenas aparecer a cortina, dando ênfase ao seu caimento, tecido e peso.
Esse tipo de cortineiro é muito usado atualmente, principalmente em ambientes com uma decoração mais moderna.


Cortinas longas deixam o ambiente mais sofisticado
      Use e abuse de cortinas de duas camadas para transformar um ambiente comum num cômodo mais chique. Sobreponha tecidos leves, como o voal ou o cetim, a uma forração mais pesada, de tergal ou blecaute (material emborrachado que bloqueia a entrada do sol). Essa técnica ainda garante uma maior durabilidade ao tecido translúcido.


Persianas compensam a falta de espaço
      Persianas são mais adequadas para cômodos reduzidos, quando há uma escrivaninha ou estante perto da janela. Além disso, são bem fáceis de manter limpas e ótimas para quem tem alergia.

Varão à mostra é sempre lindo e mais em conta!
Colocar a cortina em um varão é a solução mais simples para quartos e salas. O comprimento longo do tecido, do teto ao chão, dá a sensação de um pé direito alto. Faça um investimento em cortinas com furos arrematados com ilhoses.
 


Fonte:
http://www.fazfacil.com.br
http://bamboohome.com.br
http://www.dicasdecor.com.br
http://www.bonde.com.br

http://www.trajlar.com.br

Destaque Empresarial 2012

    Boa noite amigos!!

    É com grande alegria que compartilho mais um prêmio no Destaque Empresarial 2012, realizado pela empresa Minas Brasil Publicidade, sob direção de Viviane Tavares Canalonga.

   O evento foi realizado no dia 23/11 no salão nobre do Clube Campestre, onde os homenageados receberam o troféu e confraternizaram ao som de um bom samba!

    O meu muito obrigada a todos!!!

Ateliê do Pão de Queijo

Amigos, que delícia ver tudo que criou virar realidade!!!

Quero convidá-los para conhecerem o novo espaço de alimentação da cidade: Ateliê do Pão de Queijo. Aproveitem para provarem a novidade do pão de queijo no palito
, cupcakes variados e waffles deliciosos!


O projeto de decoração é de minha autoria, onde foi seguido "a risca" todos os detalhes!

Endereço: Rua Santa Cruz, 560 (em frente ao posto) 

                Varginha/MG

Arquitetura em 10 Lições



Achei essa lista nos meus guardados e a tenho como sendo de Gabriel De Benedets. Independente de quem for a autoria, ela é muito interessante.

Lição n°1: Aprenda a imaginar, a criar dentro de si imagens de volumes e espaços. Aprender a desenhar é uma forma eficaz de aprender a olhar. E assim aprender a pensar. Aprender a desenhar em perspectiva livre, método passo a passo, o que você vê e o que imagina dentro de si.

Lição n°2:  Aprender a olhar. Se você não pode viajar, aprenda a olhar bem o que há de sua cidade. Tire fotos, veja filmes, assista e desfrute, forme sua bagagem arquitetônica. 

Lição n°3: Trabalhe duro: Le Corbusier disse que a boa arquitetura é 10% inspiração e 90% transpiração. Não pague para que alguém projete para você. Não seja preguiçoso e desonesto. Nem trabalhe apenas para cumprir calendário. Saiba amar o seu trabalho e ter prazer de trabalhar.



Lição n°4:  Seja humilde, nunca se sabe tudo. Humildemente se proponha a ser sempre melhor do que você estava no dia anterior. Não seja pedante, ou ao vivo e em comparação com os outros, aprenda a ser nobre. E a não ser influenciado por aquilo que os outros dizem sobre você ou seu trabalho. Essas são apenas opiniões dadas com boas ou más intenções. Aprenda a ver a si mesmo e aos outros de forma justa. Dê a si mesmo alguns anos para aprender tudo isso. Mas comece hoje.

Lição n°5: Não tenha medo de mudar. Só os mortos são imutáveis. A capacidade de evoluir manteve viva as coisas que não foram extintas. O mundo se move e o conhecimento também. E não se apegue ao que aprendeu, aprenda sempre mais.

Lição n°6:  Seja corajoso, ousado. O pior inimigo da criatividade é você mesmo. É melhor errar do que não fazer nada com sua vida. O que é seu ninguém lhe tira.

Lição n°7: Ame o que faça. Se não ama, seja honesto e vá fazer o que realmente gosta de fazer. Seja feliz ao trabalhar e trabalhe naquilo que você gosta. Não se pode ser bom em uma profissão não se ama. Nem se pode ser feliz.

Lição n°8:  Leia livros, mas não se limite por aquilo que leu, como se isso fosse verdade absoluta. Muito do que dizem os livros são apenas as opiniões dos autores com base na experiência deles. Encontre a verdade de sua própria experiência. O conhecimento não é algo que você dá, é seu modo de entender e vivenciar o mundo. O conhecimento é um ato pessoal, não um objeto de consumo. Leia livros, não só para buscar soluções para problemas específicos e urgentes, ler livros e revistas para apreciá-los, enriquece seu mundo interno. Leia livros e não apenas de arquitetura. Antes de ser um arquiteto, você é um intelectual.

Lição n°9: Não tente saber tudo, é uma loucura. Quando você precisa saber alguma coisa, encontrará uma maneira de aprender. Conhecimento, quando inútil, provavelmente nunca irá servir para nada.

Lição n°10: Desconfie de receitas, especialmente, porque quando elas aparecem como obrigatórias ou impostas por uma autoridade. As receitas alimentam o espírito burocrático no exercício da profissão, ajudam a  matar a liberdade (a mãe de toda a criatividade). Confie nos seus instintos, sua intuição, e estilo de fazer as coisas. Cada um é como é e desce as escadas de sua própria maneira. 

Fonte: http://arquitetandoideias.blogspot.com.br

Tapete Ideal e bem Localizado



Parece simples escolher modelos bonitos e confortáveis e colocá-los no escritório e no quarto. Mas fique alerta: tanto tramas inadequadas quanto a posição errada podem comprometer até mesmo a segurança dentro de casa. Para acertar, siga as orientações dos especialistas e tire o melhor proveito desse elemento.
 Medida correta e materiais rígidos afastam o perigo no home office
  •  O mais importante é optar por um modelo grande o bastante para que a cadeira seja deslocada somente sobre ele, sem invadir o piso. “Observe o espaço ocupado pelo móvel ao ser arrastado para frente, para trás e para os lados e compre um tapete um pouco maior”, ensina a arquiteta e designer de interiores paulista Glaucya Taraskevicius.
  • A cadeira nunca deve ficar logo à frente do tapete. “O perigo surge quando se faz o movimento para trás”, adverte a arquiteta carioca Nicole de Frontin. Há o risco de topar com a borda da peça, que em geral é mais grossa, ou enroscar as rodinhas nos fios de versões com franja.

  • Não é obrigatório deixar o tapete sob a cadeira. Se houver espaço, ele pode ficar em outro ponto do escritório, contanto que afastado da área de trabalho.

  • Fios curtos e materiais naturais, que propiciam superfície lisa, como o sisal, são as melhores alternativas. “Prefira as peças mais pesadas, que não saem do lugar ou enrolam com o deslocamento das rodinhas”, recomenda a arquiteta Flavia Malvaccini, do Rio de Janeiro.

  • Modelos felpudos e aqueles com alto-relevo oferecem risco de acidente. As rodinhas são incapazes de deslizar – podendo até enroscar –, enquanto as cadeiras comuns (com pés fixos) têm dificuldade de ficar estáveis.
  

No quarto, versões felpudas dão conforto ao deixar os lençóis
  • Passadeiras vão aos pés e, principalmente, nas laterais da cama, com a função de manter aquecido o corpo de quem desce descalço. Elas ficam com as bordas sob o móvel ou rente a ele e precisam ter largura suficiente para que se pise sempre na área do tapete – a medida mínima é de 40 cm.

  • “Nas duas laterais, as peças devem ser idênticas”, opina Glaucya. Além disso, têm de ser obrigatoriamente proporcionais ao comprimento da cama, não a ultrapassando.

  • Se a opção recair sobre um só tapete embaixo da cama, ele não pode ficar rente ao móvel. Adquira uma peça maior que o móvel, para que avance ao menos 40 cm de cada lado.

  • Aos pés do leito, o item é opcional e só cai bem quando há uma boa área de circulação à frente – deixe a ideia de lado caso seu quarto seja pequeno. E lembre-se de que o tapete só terá uso se você se sentar ali para calçar os sapatos.

  • Modelos redondos não são funcionais, pois a área da pisada fica limitada. “Esse formato vai bem em ambientes de bebês, sem nenhum móvel sobreposto, compondo uma área aconchegante para a criança brincar no chão”, indica Glaucya.

  • “Em quartos, evite materiais rígidos, como o sisal. Prefira os macios e felpudos, agradáveis ao toque”, orienta Flavia.

Não escorregue: soluções eficientes e baratas firmam o tapete no chão
  •  Quem nunca tomou um susto ou até mesmo um tombo ao pisar em um tapete sem proteção antiderrapante? As maiores vilãs são as peças finas e leves colocados sobre superfícies lisas. Para evitar acidentes, alguns modelos vêm com o verso emborrachado, enquanto outros podem ser facilmente adaptados.
  • De aplicação simples, há fitas antiderrapantes próprias para colar no avesso dos tapetes, como o produto da foto, o Pise bem, da Kapazi. Autoadesivo e emborrachado, é vendido em rolo de 5 m com 3,8 cm de largura (Leroy Merlin, R$ 8,90). 

  • Outra alternativa são as telas de PVC, que podem ser recortadas de acordo com o tamanho do tapete – ficam embaixo dele, mas vão diretamente no chão, sem precisar ser coladas. Na Idealiza, uma tela de 0,30 x 1 m sai por R$ 8,90.
Produtos:
Tapete de sisal, com 1 x 1,50 m Leroy Merlin, R$ 169,99
Tapete heard, de algodão, com 1,20 x 1,80 m (Etna, R$ 59,99)
Tapete retangular do tipo Kilim, com 1,26 x 1,86 m (Balisun, R$ 549)
Tapete redondo Ag com Barrado, de algodão, com 1,50 m de diâmetro (Leroy Merlin, R$ 202,63)
Na lateral, tapete Natural, de lã e juta, com 0,60 x 1 m (Etna, R$ 169,90). Aos pés da cama, tapete alaska, de lã sintética, com 0,50 x 2 m (Leroy Merlin, R$ 188,99)
Texto Daniella Grinbergas (SP)
Reportagem Visual: Daniela Arend (RJ) 
Fotos: Bruno Carvalho (RJ)
Preços pesquisados em 3 de julho de 2012, sujeitos a alteração.

Fonte: http://minhacasa.abril.com.br
 

Dircenéia Moterani

Atuante na área de decoração e artes, é uma das mais requisitadas e experientes profissionais de Varginha. Lança mão de recursos como luz, cor e materiais diversos, para obter uma disposição harmoniosa dos objetos no espaço.